Notícias diárias e fatos da indústria de Energia e Gás downstream.

Radar » Perdas comerciais de energia – a falta de consciência da sociedade para gravidade histórica do “gato”

""
Opinião

Energia e meio ambiente devem ser tratados como temas conjuntos por empresas e pela sociedade

Para Rafael Segrera, presidente da Schneider Electric para América do Sul, investir na eficiência energética, geração distribuída, matrizes renováveis e no acesso à energia, buscando a universalização do fornecimento deste recurso para a população, é essencial para apoiar uma transição justa

b


É fato que a geração e o consumo de energia elétrica têm se tornado temas cada vez mais interligados com a questão da sustentabilidade. Isso se dá, principalmente, por sua relação direta com as mudanças climáticas, sendo responsável por 36% das emissões globais de gases de efeito estufa e, também, por sua dependência de recursos naturais, como a eletricidade gerada pelas usinas hidrelétricas e eólicas. O dado faz parte da pesquisa “Global Energy Review: CO2 Emissions in 2021”, feita pela International Energy Agency (IEA).

Quando analisamos a disponibilidade de recursos naturais, podemos citar conclusões do recém publicado relatório do Painel Intergovernamental sobre o Clima (IPCC), da ONU, o qual afirma que o Brasil terá fases de estiagem cada vez mais frequentes nos próximos anos, sobretudo no Nordeste. A região sofreu ao menos um mês de estiagem a mais entre 2010 e 2019, em comparação com o período de 1950 a 1959. Inevitavelmente, isso afeta a questão energética nacional.

Paradoxalmente, diversas localidades da América do Sul sofrerão com o excesso de chuvas – enfrentando eventos climáticos extremos, além de problemas associados,  como o colapso da infraestrutura e a interrupção do fornecimento de energia. Ainda segundo a pesquisa do IPCC, um aumento de 1,5º C acima do nível pré-industrial (previsto para acontecer até 2030) resultaria no acréscimo de 100% a 200% na população afetada por inundações na Colômbia, no Brasil e na Argentina, 300% no Equador e 400% no Peru. No Brasil, os riscos mais frequentes são previstos para a Região Norte, incluindo Estados como Pará, Acre e Rondônia.

Tais dados reforçam que não há como pensar em segurança energética para os países  sem levar em conta a sustentabilidade, dentro da agenda ESG. Ao compreendermos que o acesso à eletricidade é a base para o desenvolvimento humano, enfrentamos desafios que ficam cada vez maiores com o passar dos anos em virtude das mudanças climáticas, ampliando a pobreza energética e dificultando o acesso à energia em comunidades carentes em regiões mais remotas.

O IPCC também aponta que, nos próximos oito anos, 132 milhões de pessoas (especialmente de países mais vulneráveis, incluindo regiões da América do Sul) podem cair na extrema pobreza.

Portanto, acredito que investir na eficiência energética, geração distribuída, matrizes renováveis e no acesso à energia, buscando a universalização do fornecimento deste recurso para a população, é essencial para apoiar uma transição justa, como preconizado pelo Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 7 das Nações Unidas, necessariamente congregando esforços do poder público e do setor privado.

Para resolver esta questão, é essencial combinar tecnologias existentes com disrupção, em um conceito que denominamos Electricity 4.0 (Eletricidade 4.0), que consiste na integração total da geração, distribuição e uso/consumo da eletricidade com “zero desperdício, zero emissões ou zero carbono”.

Neste contexto, será fundamental o  avanço das redes inteligentes (ou smart grids), permitindo ampla gestão, controle e melhoria dos serviços prestados por parte das distribuidoras; enquanto do ponto de vista do consumidor haverá a possibilidade de tornar-se um “prosumidor”, com liberdade  de escolher seu fornecedor, gerar sua própria energia, gerenciar seu consumo e tomar decisões que permitam ter o menor custo possível.

O Brasil está estabelecendo um bom caminho para integração da eletricidade com a sustentabilidade. Segundo o “Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE) 2031” – divulgado pelo Ministério de Minas e Energia neste ano –, a capacidade instalada deve aumentar de 200 GW em 2021 para 275 GW em 2031. Deste total,  83% serão de fontes renováveis, enquanto apenas 46 GW, ou 17%, serão oriundos de fontes não-renováveis.

Estas previsões reforçam os compromissos assumidos pelo País no último ano, durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP26) por meio de sua contribuição nacional determinada (NDC), que preconizam a redução de 50% das emissões de GEE até 2030 e a neutralidade climática até 2050. Isso demonstra que estão sendo definidas estratégias para toda economia (economy wide).

Combinado aos compromissos sustentáveis, de acordo com o PDE, nos próximos dez anos, a proposta de investimentos em energia deve chegar a R$ 3,25 trilhões. Essa integração entre eletricidade e ações que favoreçam o meio ambiente pode ser o ponto-chave para diminuir as consequências causadas pelas mudanças climáticas. Trabalhados em conjunto, os temas contribuem de forma significativa com o avanço social e econômico, além de ajudar na construção de um futuro mais igualitário e digno para a população brasileira.

Rafael Segrera é presidente da Schneider Electric para América do Sul


Leia também
Abrir Whatsapp
Precisa de Ajuda?
Olá! posso te ajudar?