Notícias diárias e fatos da indústria de Energia e Gás downstream.

Radar » CMO ficará equalizado para próxima semana operativa pela primeira vez no ano

Opinião

Conectados pelo clima e no combate à corrupção

Um dos aspectos mais urgentes que não devemos deixar de lado é entender que não podemos lutar contra a crise climática sem combater a corrupção – esse ponto ganha mais relevância a partir da agenda ESG


Hoje, 9 de dezembro de 2021, é o Dia Internacional de Combate à Corrupção. É uma data para empresas, governos, organizações civis e todos nós, como sociedade, renovarmos o compromisso de trabalhar juntos para acabar com as consequências devastadoras que a corrupção gera na vida das pessoas em todo o mundo.

Muitos dos impactos negativos da corrupção ocorrem e são vistos nas esferas social, econômica e política de diferentes países e sociedades. Porém, um dos aspectos mais urgentes que não devemos deixar de lado é entender que não podemos lutar contra a crise climática sem combater a corrupção. Esse último ponto ganha mais relevância a partir da agenda ESG, ou em português ASG (ambiental, social e governança) que a sociedade prioriza e quando observamos os grandes desafios da crise climática e da transição para energias limpas e sustentáveis, pontos discutidos há algumas semanas na 26ª edição da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 26).

De acordo com a Transparency International, a corrupção e as mudanças climáticas estão altamente conectadas. As mudanças necessárias para um futuro mais verde incluem, entre outras, a proteção das florestas e selvas, o transporte sustentável e o desenvolvimento de fontes renováveis ​​de energia.  Mas essas ações requerem do comprometimento ético e transparente das empresas e setores envolvidos. 

Vale destacar que diversos processos inseridos na estrutura de gestão ambiental são altamente suscetíveis ao potencial risco de corrupção, que podem ser desde a obtenção ou concessão de licenças ambientais e proteção de espécies ameaçadas de extinção até o abastecimento de água, extrativismo, dentre outros. As consequências dessas ações, muitas vezes corrompida no abuso de poder que priva as pessoas de seus direitos sociais e econômicos, cria obstáculos ao progresso e ao desenvolvimento da sociedade.

Por isso, é essencial que as várias esferas da sociedade se unam na promoção de combate à corrupção: os governos, por meio do fortalecimento das instituições com mecanismos de prevenção e controle social; as empresas do setor privado e organizações civis, com iniciativas de prevenção e detecção de práticas ilegais e adoção de ações de integridade; e por fim, mas não menos importante, a sociedade como agente transformador. A responsabilidade não deve ser delegada apenas a um elo da cadeia.

Especificamente sobre o setor privado, está inserida a capacidade de alavancar a agenda de integridade na Governança, base para os demais pilares da agenda ASG, pois não há compromisso ambiental e social sem transparência e responsabilidade. Dentre as ferramentas estão o absoluto engajamento da alta direção, treinamentos, comunicações, adesão a movimentos pela integridade, ações coletivas anticorrupção e de transparência e divulgação de políticas e procedimentos. Todas contribuem na transformação social e cultural, impactando positivamente a forma como os negócios são realizados.

Portanto, neste Dia Internacional de Combate à Corrupção, mais do que ressaltar a importância de estar em conformidade, é importante lembrar que fazer o certo garante a sustentabilidade corporativa e da sociedade. O compromisso de todos no combate à corrupção é o caminho mais curto para a promoção efetiva da Agenda 2030 e os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS). 

Hugo Nicolas Genoni é diretor de Auditoria e Compliance da ISA Cteep


Leia também
Abrir Whatsapp
Precisa de Ajuda?
Olá! posso te ajudar?